3 de abril de 2009

A farsa do emprego no Brasil.


Amigos e amigas do Opinião e Critica Brasil, o desemprego é realmente algo danoso a vida e a moral das pessoas. Não bastasse sermos humilhados, temos que conviver agora com estelionatários prometendo mundos e fundos aos mais desesperados, e lógico o cidadão desempregado e necessitado passa a crer nestas bestialidades.
A pergunta que cabe é: Quem são os ''permissíveis'' da lei que contribui para estas farsas empregatícias de plantão?
Como pode uma justicinha de nada permitir que vagabundos explorem e arranquem de quem não tem?
Efetivamente não caio numa desta, mas já recebi tais propostas prometendo isso e aquilo. Pura cara-de-pau de quem não tem vergonha em brincar com o desespero alheio. E o resultado é penoso. Pessoas investem aquilo que não tem, seduzidos por propostas falsas com salários exorbitantes.
Ora, basta ver que normalmente uma pessoa que investe em uma faculdade por exemplo, as vezes em cursos caríssimos, não chegam a ganhar tais quantias, como as prometidas por estas ''máfias de estelionatários'', sendo então muitas das vezes obrigados a trabalhar em outras áreas para poder terem um salário digamos um tanto ''melhor''.
É bem verdade que a crise mundial está desempregando pessoas pelo mundo todo e a angústia de muitos é bem visível, incluindo neste lista eu.
A gente procura emprego em todos os lugares e não encontra, parece não haver uma resposta da sociedade ao clamor e anseio de muitos que pagam aluguel, água, luz, telefone, gás, escolas, iptu, seguro obrigatório, ipva, taxa disso, taxa daquilo etc e tal. Ninguém parece se importar com isso, já que para a nossa justicinha é mais fácil ser conivente com o que é errado do que achar os culpados pelas tragédias sociais, mesmo por que tais fatos sociais como a fome, miséria, violência, hospitais arruinados, educação ''pífia'' não dá lucros positivos, é preferível o lucro negativo.
Com isso, nós que procuramos por trabalho ficamos a mercê de gente sem escrúpulos, gente que afronta a sociedade e rouba os mais pobres.
No meio de nossos sonhos, estes aliás não ''permitidos'' por muitos, temos que conviver e até mesmo aceitar aquilo que acham que nos convém. Sabemos que a coisa não é bem assim.
Quantas pessoas neste país não perdem diariamente seus sonhos de serem algo melhor na sociedade e vêem suas esperanças indo por água abaixo?
É preciso mudar isso, é necessário cobrar efetivamente uma resposta das ''autoridades'' em relação ao desemprego no Brasil. O que querem de nós?
Como consumir? Como investir em sonhos e projetos de vida se somos acuados por interesses de outrém?
Isso não pode valer, isso não é condição de vida.
Todo mês, o cidadão paga suas contas e não vê o retorno desejável para educação, saúde, segurança, transporte, trabalho, bem- estar social.
Como aceitar lucros exorbitantes de bancos em cima de seus clientes? É algo inconcebível.
Fala-se tanto da ''roda da econômia'' que deve continuar girando. Não seria a hora de darmos uma travada nesta roda?
Somos humilhados, espizanhados, apunhalados pelas costas por intermédio e conivência da justiça brasileira, nosso voto de nada vale.
Mas temos talvez, culpa nisso tudo. Os brasileiros são fãs do BBB 9. ''Temos'' a nossa bela seleção, o Faustão, o Gugu, a Hebe, Luciana Gimenez, Sônia Abrão, Regina Volpato, Márcia Goldsmith e outras aberrações da nossa magnânima TV.
Ainda de quebra, temos o racismo, o preconceito bem ali, no Sul do país, onde não nos dão oportunidades de trabalho por sermos de fora, isso tudo aqui no Brasil.
É bem mais interessante ver, ouvir, ler sobre a vida das celebridades, saber sobre atores drogados, modelos transgressoras da moral e ética, verdadeiras prostitutas de plantão, traições entre os casais ''pré-fabricados'' pela nossa mídia , tudo isso claro com o aval de nossa justiça , verdadeira adoradora de pessoas ''burras  e ignorantes''.
Assim fica fácil entender o por que do não surgimento de emprego, a conta é simples:
Pessoas burras + ignorantes = povo desqualificado.
É assim em nosso país. A gente sai á procura de emprego, nos pedem qualificação, cursos complementares, idiomas, faculdade, moradia próxima ao trabalho, nos pedem a vida e a damos sem nenhum critério e o pior, sem nenhuma resposta quanto ao amanhã. Isso é Brasil e suas ''regras''.

12 comentários:

gê disse...

bom, muito bom...
Falou tudo..
vou deixar a desejar o restante dos meus comentarios,.

fabio lintz disse...

bom acredito que procurar emprego sempre foi um desafio, acho que nao é culpa apenas da crise, digamos que isso possa ser uma desculpa.
antes da crise encontrar um emprego era tao dificil quanto hoje.
por isso concluo que a crise chegou no brasil para ser mais uma desculpa das empresas para se demitir milhares de funcionarios e de milhares de funcionarios culpar as empresas por nao darem empregos.

Silvia Caroba disse...

Bem, muito do que escreveu tem coerência atualmente. Porém acredito que temos que fazer a nossa parte da melhor maneira possível, e aprofundar no contexto no qual estamos inseridos, na história, desde quando tudo isso começou, para podermos nos preparar, nos qualificar e principalmente para termos conhecimento suficiente para analisar a situação.

Ótimo blog!
Beijo Jonas

Aldo disse...

Em meados da década de 1990, um alento para quem esperava por uma solução para a questão do desemprego no Brasil parecia haver chegado sob a forma de um grande e novo mercado que se mostrava promissor: o Mercosul. A iminente criação de empregos parecia certa e agitou outro mercado: o mercado do trabalho, cujo progresso parece ser inversamente proporcional ao do mercado de trabalho.

Alimentado pelo pesadelo do desemprego, o mercado do emprego frutifica em meio à crise, vendendo a suposta garantia da empregabilidade: o conjunto dos atributos necessários para a obtenção de um bom serviço ou a capacidade de manter-se empregado, variando sua definição conforme o interesse de quem a elabora. No caso do Mercosul, a empregabilidade chegaria aos profissionais especializados em comércio exterior e com domínio do idioma espanhol. Textos alertando para a necessidade do aprendizado de uma nova língua multiplicaram-se em periódicos, quase sempre embasados na ameaçadora idéia de que “estariam fora do mercado de trabalho” os que não dominassem, além do português e do inglês, o espanhol. A demanda pelo aprendizado da língua “fundamental para a garantia de um bom emprego” gerou a abertura de novas turmas em antigas escolas de idiomas e um sem número de cursos de qualidade altamente duvidosa, muitas vezes ministrados por profissionais de competência e metodologia de ensino tão precárias quanto as instalações em que eram montados.

Opinião e Critica disse...

Belo comentário Aldo, é perceptivel as coisas neste país, temos que crer de certa forma que a luta pelo emprego deve ser algo validado todos os dias.Devemos lutar sempre e acreditar, mas não podemos aceitar a ridicularidade á que somos expostos.
Abarços

Opinião e Critica disse...

Silvia concordo com você, precisamos estar sempre atentos aos ''olhos'' de nossa ''bela'' sociedade. O desemprego é algo que destrói os sonhos dos menos favorecidos, enriquece cada vez mais os ricos e neste meio surgem os exploradores da desgraça alheia, é preciso mudar isso, é necessário que alguém dê de fato uma resposta aos mais desesperados, para que não se tornem ''frutos podre'' em meio á ímundicie descarada e deslavada de nossos ''feitores''.
Obrigado pelo elogio ao blog e espero poder fazer deste um meio cada vez melhor de associar-me as pessoas de bem.
Beijos e vamos á luta!

Opinião e Critica disse...

Fábio, o desemprego no Brasil não foi tão ruim como é hoje. Quem viveu determindas épocas assim como eu vivi, sabe que a diferença hoje é bem maior.Antes o trabalhador era disputado a ''laço'' pelas empresas e quando este possuia qualificação, melhor ainda.
O que ocorre é que no íncio dos anos 90 as empresas passaram a compartilhar da famosa globalização e aí as empresas se viram obrigadas a seguirem determinadas regras de mercado para permanecerem na ativa. O resultado foi impactante, empresas que não suportaram fecharam, os empregados passaram a ser vistos como os ''bodes expiatórios'' das empresas que não possuiam ''qualificação'' perante o mercado mundial. Foram criados mercados internacionais que investiram pesado em nossas indústrias, favorecendo umas e destruindo outras. Isso só agravou o desemprego, aumentando o desemprego e propagando os graves problemas socias que temos hoje mundo afora, sobretudo aqui no Brasil.
Abraços Fábio e sucessos sempre.

Opinião e Critica disse...

Gê...obrigado pela sua participação e conto mais vezes com você e seus comentários.
Beijos.
Jonas

..:Danilo Sans:.. disse...

Enquanto ao "colaborador" resta apertar o cinto, fechar a boca e resignar-se diante do medo em ir pra rua, os empregadores se aproveitam para demitir, reduzir gastos e gerar pânico. Do outro lado estão os políticos - todos - não só senadores, que dão 181 cargos de diretores, entre os quais a "diretoria para administração de residências" e "coordenação aeroportuária"... O trabalhador, assim como você disse, se preocupa mais com quem vai sair do BBB9 do que com quem entra ou sai dessas diretorias. Aos que se importam, não conseguem erguer a voz tão alto ao ponto de despertar o restante para a realidade em que estão sendo jogados, mas gritam, tentam sobreviver com certa dignidade, batalham para isso. Aprendem línguas, fazem cursos universitários e disputam com pessoas influentes, que nem precisam escrever o nome para roubar-lhes os cargos.

Opinião e Critica Brasil disse...

Danilo realmente seu comentário se fez de pronta resposta as mazelas da nossa ''sociedade'', é mais fácil fechar os olhos, trocar moral por trocos ''avacalhados'' do que lutar de faro por algo que possa trazer bons futos numa vida mais justa.
Obrigado amigo e espero sempre contar com seu apoio.
Valeu!

Jonas

Anônimo disse...

GOSTEI, ACHEI BOM A SUA ANALISE.
INFELIZMENTE O BRASIL VAI CONTINUAR ASSIM POR MUITO TEMPO, ENQUANTO TIVER SEMPRE ALGUEM PREOCUPADO EM ASSISTIR O LIXO CEREBRAL DO BIG BROTHER E OS GUGUS DA VIDA, O POVO NAO VAI SE MEXER. ENQUANTO MUITA GENTE ESTIVER SENDO SUSTENTADO PELO BOLSA FAMILIA, NAO VAI SE PREOCUPAR SE TEM EMPREGO, SE O PAIS ESTA PASSANDO POR CRISE, AS PESSOAS JA ESTAO COM O SEU DINHEIRO GARANTIDO. POIS O NOSSO GOVERNO ESTA AGINDO QUE NEM NA EPOCA DE ROMA O FAMOSO "PAO E CIRCO" O GOVERNO DA NOVELA, FUTEBOL, CERVEJA, TUDO O QUE O POVO GOSTA E O POVO NAO BRIGA PELOS SEUS DIREITOS.

Opinião e Critica Brasil disse...

Olá ânonimo,vejo que você fez também uma boa ánalise da coisa. É assim mesmo que funciona o nosso país bem aos tempos de Roma mesmo, existe ''pão e água'' está tudo bem.
Não existe critério para melhoria de dias melhores para nosso país e para nossa ''sociedade''.
Obrigado e continue postando.
Valeu e abraços.
Jonas Silva